Corretores voltam ao MPT. para dizer que foram forçados à mentir:

Um grupo de Corretores de Imóveis de uma grande empresa construtora do Distrito Federal, após serem demitidos, voltaram ao Ministério Público do Trabalho – MPT para dizer que foram forçados a mentir quando convocados pelo órgão. Para saber se existia na empresa trabalho análogo a escravidão, o MPT recebeu a denuncia do SINDIMÓVEIS/DF, e deu a oportunidade a empresa de indicar seus depoentes. Como a maioria dos Corretores das Empresas de Brasília disseram que não havia escalas e nem obrigatoriedade de plantões e muito menos subordinação, muito embora todos sabemos que a prática é quase que unânime, nas grandes imobiliárias de lançamentos e construtoras.
Este grupo após defender seus patrões, foi dispensado sem aviso prévio. Viram seus direitos de trabalhadores honestos sendo usurpados pela ganância de empresários e tiveram que voltar ao MPT e confessar que foram obrigados a mentir, e que na realidade todos eram obrigados a cumprir horários em locais pré-determinados pela empresa, inclusive em plantões diurnos e noturnos. Além disso, quando não estão na empresa, são obrigados a permanecer em suas residências em frente do computador (plantões online), sendo monitorados por softwares vinte e quatro horas.
O que preconiza o art. 3º da CLT: “Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário.” Escravo não tem salário, e o que o Corretor de Imóveis recebe não cobre sequer suas despesas. Infelizmente, esta é a situação da maioria dos profissionais da categoria no Distrito Federal. Enquanto os empresários ficam ricos pela exploração dos serviços prestados pelos profissionais especializados em transações imobiliárias.
Reforço! Não se trata apenas de ILEGALIDADE pura e direta, mas também de FRAUDE À LEI! Os efeitos da decretação de fraude geram o consequente reconhecimento de vínculo diretamente.
Geraldo Nascimento.
Presidente SINDIMOVEIS-DF
Sindicato dos Corretores de Imóveis do DF

3 Replies to “Corretores voltam ao MPT. para dizer que foram forçados à mentir:”

  1. Mentiram num primeiro momento, acreditando no sonho da prosperidade imediata, lhes vendidas pelos patrões, e retornaram ao MPF, prolatando que mentiram por pressão de seus empregadores.
    A que ponto estamos chegando nos corretores, quando buscamos guarida junto a uma empresa, e nela desenvolver seu trabalho honestamente, não tendo direito algum, de acordo com a Lei da CLT, no entanto recebe um balaio de obrigações que não convêm aqui elenca-los.
    Esta na hora, dos corretores acordarem para esse fato, e exigirem um minimo de segurança financeira, para os cumprimentos de suas tarefas juntas aos seus empregadores.

  2. Realmente; a crise e a resseção que o país está afundado, o comercio imobiliário próximo a estaca “0”, não vendemos mais nada, mas os valores tanto do sindicato, tanto como as anuidade do creci, estão se tornando valores exorbitantes. pedimos que as autoridades competentes vejam isto com carinho e resolva nossa situação, porque não estamos tendo mais condições de pagar estes valores. e mandar os boletos de pagamento antecipado, recebi o meu hoje 02/03/2017 pagando no mesmo momento, com acréscimo de 10%, , não concordo mas somos obrigados a pagar da maneira que os bancos cobra pois ja vem estipulado os valores com acréscimo nos boletos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *